O drama dos dois últimos índios de povo amazônico num hospital em São Paulo
06/04/2016 14:22 em Brasil
 

RIO — Tamandua e Baita sobreviveram as últimas três décadas sozinhos, fugindo de grileiros e madeireiros no meio da Floresta Amazônica, carregando apenas um facão, um machado e uma tocha. Mas nos últimos três meses, os dois únicos remanescentes isolados do povo Piripkura enfrentaram sua mais difícil batalha. Diagnosticado com um cisto no cérebro, Tamandua precisou ser transferido para um hospital em São Paulo, onde foi submetido a uma cirurgia, teve complicações no pós-operatório e precisou ser internado na UTI. Baita, tio de Tamandua, teve o diagnóstico de próstata aumentada, mas resistiu aos tratamentos. O caso ganha contornos ainda mais dramáticos porque a renovação da proteção ao território onde vivem, que vence no próximo dia 4, depende da comprovação de que a Terra Indígena é habitada pelos índios.

LEIA AQUI A MATÉRIA COMPLETA

— O Tamandua não conseguia ficar em pé sem apoio, por consequência de uma hidrocefalia provocada por um cisto aracnoide. Sem tratamento, ele não teria como sobreviver na mata — conta Marcos Schaper, que trabalha há duas décadas no setor de Saúde Indígena do Hospital São Paulo. — O procedimento cirúrgico foi minimamente invasivo, com o uso de endoscópio. A gente esperava que a alta acontecesse em um dia, mas ele teve complicações, precisou ser sedado, entubado e passou uns cinco dias na UTI.



COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE